«PRIMAVERA III Morreu um dia atrasado. Mão humana travara-lhe o primeiro voo, prevendo que seria também o…

«PRIMAVERA III

Morreu um dia atrasado.
Mão humana travara-lhe
o primeiro voo,
prevendo que seria
também o último
(Vem em todos os livros).

Ícaro não o sabia;
precipitou-se aplicadamente
numa confusão morna
de penas e futuro,
do olhar ao chão. E
o seu tempo pequenino ficou
ali parado, espelho
intacto da nossa falta
de talento para a eternidade.

Não há canto possível
desta vez. A vizinha sairá
de manhã para o varrer,
entre queixas de dilúvios
e outros males menores.
Já não precisa de cair,
ela, nem de parar,
só de não sentir a espera.

Ícaro deixou o mundo,
mas este continua.
Continuamos, aliás,
testemunhas inúteis à janela,
a exigir esperança,
enquanto tentamos esquecer
todos os poemas perdidos.»

Um poema de Inês Dias, próxima convidada do Clube dos Poetas Vivos, conversa e leituras no átrio do Teatro Nacional D. Maria II, com Teresa Coutinho, no dia 12 de Novembro, às 19h: esta é a data correcta!

Ver artigo