O martírio de cinco franciscanos em Marrocos, em 16 de janeiro de 1220, ocorre em plena formação do reino de P…

O martírio de cinco franciscanos em Marrocos, em 16 de janeiro de 1220, ocorre em plena formação do reino de Portugal avançando para sul em território islâmico, um confronto que vai definir o próprio sentido de unidade do País. «Portugal na Espanha Árabe» é o primeiro dos seis núcleos da exposição «Guerreiros e Mártires. A Cristandade e o Islão na Formação de Portugal», onde se apresentam várias peças emblemáticas das culturas cristã e muçulmana, como este cofre em marfim produzido nas oficinas áulicas de Madīnat al-Zahrā, nos inícios do século XI.

💫 Cofre, Madīnat al-Zahrā (?), c. 1004-1008, marfim e metal, Cabido da Sé de Braga.

📷Crédito fotográfico: ©Manuel Correia

Banco BPI
Fundação "la Caixa"
#MNAA_lisboa #FundlaCaixaBPI #BancoBPI #MNAA_GuerreiroseMartires #FundlaCaixaBPI

———————————————————
🇬🇧 In 2020, eight hundred years will have passed since the martyrdom of a group of Italian Franciscan priests who, on 16 January 1220, were slain in North Africa. The Museu Nacional de Arte Antiga has thus decided to include in its agenda for this year an exhibition that will highlight this historic event about a group of men who became known as the “the Martyrs of Morocco”. Portugal in Arabic Spain is the first of six nuclei in exhibition with a cast of artworks like this ivory pyxis produced in the early 11th century in The workshops of Madīnat al-Zahrā.

💫 Pyxis, Madīnat al-Zahrā (?), c. 1004-1008, ivory and metal, Cabido da Sé de Braga.


Ver artigo